Eu não sou uma jornalista

Por Mariana Rosa 

Eu não sou uma jornalista. Eu sou uma amante das palavras.
Que se esconde por trás de formas pré fabricadas de escrever.
Eu odeio esse molde chamado lead. Meu molde é livre.
Eu nasci para escrever o que o meu coração me manda dizer.
Minha liberdade é como a água que escorre por cada fresta e não se pode conter.
Por isso meu nome é Mariana. MARiana, se é que você me entende.
Eu estudo por que se escreve assim e não assim.
Até arrisco dizer que entendo um pouco disso.
Eu leio frases em livros, eu leio até os livros. Isso se chama inspiração. 
Escuto música, escrevo música, tiro foto, revelo foto, saio de casa, volto para casa, sorrio, choro, e às vezes choro mais do que sorrio. Isso se chama viver.
Meu coração fala e o seu também.
Até o momento em que os dois se comunicam, perfeito!
Isso se chama comunicação social (jornalismo). 
Mas se eu falo e você não entende. Se eu tento e você não compreende, é porque existem falhas. 
O coração NÃO mente. Eu tento te dizer: meu texto não é metalingüístico. 
Mas é só o que você consegue ver!
E então, o que eu posso fazer se ama-se a quem odeia, se pede-se perdão e ninguém perdoa, se vive-se mas se quer morrer
Cada um tem os seus mandamentos. Construíram regras inquebráveis, leis impraticáveis. E ninguém encontra a ordem.
O produto é sempre alterado e os fatores modificados.
Eu choro por uma Luz que não brilha mais e enterro um Mar que morreu.
Cada dia do ano é especial para alguém. 
Sempre existe um aniversário, uma alegria, o melhor dia da vida, que será lembrado para sempre.
Então vamos fazer o seguinte: vamos comemorar!Pois não há nada que afaste mais o amor do que a tristeza.


 

1 comentários:

Mariana Rosa disse...

ahh obrigada amiga querida!!! Um dia eu chego ao seu nível!! Beijosss

Quantos estão aqui

Compartilhe!

Twittando

Twittando

Pergunta aê!

Ocorreu um erro neste gadget

Redes Sociais

Minhas Publicações

Não sou otária!

Jean-Jacques Rousseau

Jean-Jacques Rousseau

E disse Rousseau...

"Portanto, nunca se saberá com quem se está lidando: será preciso, pois, para conhecer o amigo, esperar as grandes ocasiões, ou seja, esperar que já não haja tempo para tanto, uma vez que é para essas mesmas ocasiões que seria essencial conhecê-lo."
no século XV

Seguidores